Colunistas
 
 
Cláudio Júnior Damin
Cientista Político
superdamin@terra.com.br
 
 
O gorila primeiro? - 17/06/2016
 
Semanas atrás, em um zoológico na cidade de Cincinatti, nos Estados Unidos, uma criança de quatro anos caiu na jaula dos gorilas. De pronto, o gorila alfa aproximou-se do menino. Os visitantes do local, dentre eles os pais do garotinho, foram ao descontrole com gritos, barulhos e muita movimentação. O menino parecia alarmado, insinuou um choro, mas foi repreendido pelos pais que lhe disseram para manter a calma e não se mexer. O guri obedeceu, conforme mostra um vídeo disponível na internet.
Enquanto a mãe ligava para a polícia informando que seu filho havia escorregado na jaula do gorila, Harambe, de 181 quilos, o analisava criteriosamente. Ao que parece, não sabia o que era “aquilo” que caíra em seu habitat, em seu território. Com uma das mãos ele segurava a criança, tocava em suas roupas até que, em um golpe, ele derruba o garotinho no lago e o arrasta para outra ponta do poço em que vive.
A partir daí o desespero invade os presentes, pois as próximas decisões do gorila eram imprevisíveis. A dúvida era mesmo a de saber se o gorila de 17 anos iria matar a criança. O menino ficou sob a tutela do gorila por longos e aterrorizantes dez minutos.
Um dos membros da equipe de segurança do zoológico, diante daquela situação, matou a tiros o gorila Harambe. Ou, em outros termos, poderíamos mesmo dizer que ele salvou a vida do guri de quatro anos. O gorila morreu e o menino viveu para contar o episódio, sofreu algumas lesões em função da queda na jaula, porém está bem. E aí que se inicia a fase mais surreal da história.
Algumas pessoas e membros de ONGs - supostamente defensoras de animais - criticaram duramente a decisão de abater o gorila. Para eles, a utilização da força foi desproporcional e tranquilizantes deveriam ter sido utilizados ao invés de armas de fogo. Não importa se os tranquilizantes demorariam a fazer efeito, o que poderia dar margem a uma reação de Harambe no sentido de esmagar o crânio da criança. Nada disso conta para essas pessoas - o que deveria ter sido feita era a preservação do gorila em extinção. Perderam o sentido das coisas, sem dúvida.
Milhares de pessoas assinaram uma petição pública criticando a polícia e o zoológico por matar o animal, além de pedir que os pais sejam responsabilizados. E outras milhares curtiram uma página nas redes sociais intitulada “Justiça para Harambe”. Um dos apoiadores escreveu: “Se achamos que é aceitável matar um gorila que não fez nada errado, não acho que a cidade deveria ter gorilas”. Eu concordo com a responsabilização dos pais, mas não com o juízo que fazem sobre a morte do animal.
Entre a vida de um animal e de uma criança indefesa acossada pelos instintos deste mesmo animal, penso que devemos ficar com a criança sem pestanejar. Conforme declarou o presidente do zoológico: “Eles fizeram uma dura escolha e fizeram a escolha certa, porque salvaram a vida do menino”. Ora, tal decisão baseia-se no desejo que temos de preservar nossa própria espécie. E, no caso do menino, ele corria sim sério risco que sua vida fosse perdida por um animal selvagem, dominado por instintos e territorialista. Harambe morreu, mas o menino viveu.
O episódio, no entanto, revela a radicalização da defesa que muita gente faz dos animais. Sim, os animais têm direitos, não devem ser vítima de violência e os criminosos devem ser responsabilizados. Mas a questão não é essa. O problema é outro, pois muita gente achou errada a morte do gorila. Ora, se o gorila fosse deixado sem contenção, talvez a criança não estivesse viva. E perderíamos um de nossa espécie - pais perderiam um filho e avôs um neto. Uma vida seria desperdiçada. Muita gente, no entanto, queria pagar para ver. Ainda bem que alguém agiu e abateu o animal.
 
Outras colunas deste Autor
01/07/2016
Mudança de expectativas - 24/06/2016
O gorila primeiro? - 17/06/2016
Alguém sobrará? - 10/06/2016
Os políticos com medo - 03/06/2016
Irresponsabilidade - 20/05/2016
A última semana - 06/05/2016
A situação é crítica - 29/04/2016
A façanha de Dilma - 22/04/2016
As chances do impeachment - 15/04/2016
Impeachment - 08/04/2016
Eulogia a meu amigo Horley - 01/04/2016
A caça e o caçador - 25/03/2016
Renúncia, já! - 18/03/2016
Caiu o triplex - 11/03/2016
 
   
publicidade - anuncie
   


Frei Marcelo de Carvalho


Aldoir Rodrigues Nepomuceno
Advogado e Jornalista


Oscar Menna Barreto Grau
Médico Veterinário

Outros Colunistas (...)
Inicia 1ª Copa Ramo Agrícola CER Santos de Futebol de Campo
Teve início, no sábado, 13 de janeiro, a 1ª Copa Ramo Agrícola CER Santos de Futebol de Campo. A primeira rodada contou com bom público e apresentou o seguinte resultado. Davi Canabarro 2 x 0 Veter (...)
PRF alerta sobre cavalos abandonados na BR-285 em Lagoa Vermelha
A PRF atendeu uma ocorrência de animais soltos na rodovia na manhã deste domingo (14), no km 193 da BR 285 em Lagoa Vermelha. Essa é a sexta vez que os mesmos animais são retirados do local. A equ (...)
CDL promoveu entrega oficial dos prêmios da Compra Premiada
Câmara de Dirigentes Lojistas de Lagoa Vermelha, sob a presidência de Rafael Nepomuceno, realizou a entrega oficial, na AABB, dia 12, da entrega premiação alusiva a Compra Premiada, edição 2017, onde (...)
Edeivison Vigo continua na presidência do Lagoa Futsal
Nesta semana, através de reunião realizada no Ginásio Adolfo Stella, ficou definida a nova diretoria do Lagoa Futsal para esta temporada. Edeivison Vigo continua como presidente. Os demais membros da (...)
Zanchin destaca sanção de novas medidas para a segurança
O deputado estadual Vilmar Zanchin (PMDB) ressaltou a importância de o Governo do Estado ter sancionado, nesta quinta-feira (11/1), 18 projetos de lei do pacote da segurança aprovado em dezembro na (...)
 
  Página Inicial | Contato | Empresa | Lagoa Vermelha

Simples.net Solucões Inteligentes