Colunistas
 
 
Juliana Chilanti Tonial
Advogada especialista em Direito Civil. Mestrada em Direito Ambiental - UCS
julichilanti@yahoo.com.br
 
 
Não resta dúvida que somos dominados por aplicativos de celulares! - 06/05/2016
 
Um tema que movimentou a imprensa escrita, falada e a internet foi o bloqueio, por ordem judicial, do aplicativo mundialmente conhecido como WhatsApp, por 72 horas, nesta semana.
Um juiz do município de Lagarto, interior de Sergipe, determinou que o aplicativo parasse de funcionar por 72 horas. Não chegou a isso devido à concessão de liminar que restabeleceu seu funcionamento. Contudo, é evidente que sua paralisação causou um alvoroço na população uma vez que, hoje, todo mundo o utiliza. Será que o juiz agiu corretamente ao determinar o bloqueio?
Claro que estamos opinando aqui sem conhecer a fundo o processo que motivou tal decisão e sem saber qualquer detalhe do caso concreto, apenas analisando pelo que foi noticiado pela imprensa. O fato é que este mesmo juiz, em março deste ano, determinou a prisão do vice-presidente do facebook que também é o dono do WhatsApp, pelo descumprimento de uma decisão judicial. Agora, outra sanção determinou sua paralisação, sob pena de, em caso de descumprimento, o pagamento de uma multa no valor de meio milhão de reais por dia. Não foi divulgado se a tentativa da penalidade de multa já teria sido aplicada sem sucesso. De qualquer forma, acredito que o poder discricionário extrapolou em sua decisão.
As opiniões divergem. Uns entendem estar correta a decisão do juiz, outros, por sua vez, acham que tal determinação está privilegiando uma investigação em um processo em detrimento de milhares de usuários deste aplicativo que sequer fazem parte ou tem conhecimento da existência desta demanda judicial.
Entendo que o juiz deveria ter aplicado a penalidade de multa somente para a parte envolvida. Quer dizer, impor o pagamento da multa de meio milhão de reais ou qualquer outro valor, pelo descumprimento de uma obrigação. Não pela obrigação de tirar do ar o aplicativo, mas pela obrigação de prestar as informações requeridas pelo juiz e, em caso de negativa ou não prestação do que foi requerido, que se impusesse um meio coercitivo ao dono do aplicativo. Em relação à multa, seria discutível em sede de recurso se o valor é adequado ou não, mas a coerção deveria ser direcionada para aquele que descumpriu com a obrigação e mais ninguém.
Não é crível que um interesse, em um único processo, possa sobrepor- se aos interesses de mais de 100 mil usuários. Diante disso, me parece claro que tal decisão excedeu os limites da legalidade e, por isso, não prevaleceu.
 
Outras colunas deste Autor
01/07/2016
Projeto “Pai Presente” vem se consolidando no país - 24/06/2016
Já vai tarde Cunha! - 17/06/2016
Newton Ishii - o Japonês da Federal! - 10/06/2016
Que tal ganhar 20 euros para optar pelo transporte público? - 03/06/2016
Erros acontecem! - 27/05/2016
Jovem de gaúcho ficou 1 ano e 4 meses preso por crime que não cometeu! - 20/05/2016
13/05/2016
Não resta dúvida que somos dominados por aplicativos de celulares! - 06/05/2016
Sobre a frase mais polêmica da semana - 29/04/2016
Foi um show de imbecilidades! - 22/04/2016
Esse nosso país já virou piada! - 15/04/2016
A posse de uma das entidades mais confiáveis do país - OAB - 08/04/2016
01/04/2016
Em questão de horas o Brasil vira de cabeça para baixo! - 25/03/2016
 
   
publicidade - anuncie
   


Victor Hugo Muraro Filho
Advogado


Frei Marcelo de Carvalho


Leodário Schuster
Empresário

Outros Colunistas (...)
O Esporte é Dez homenageia os melhores de 2017
Numa iniciativa a Associação Lagoense de Esportes - ALE, sob a presidência de Roberto Dalle Molle, foi realizada no CTG Alexandre Pato, no dia 12, mais uma edição do O Esporte e Dez. Dezenas de desp (...)
Nova Mesa Diretora que assumirá em 2018 é eleita
Na última Sessão Ordinária deste ano de 2017, realizada na terça-feira, 12 de dezembro, foi eleita a nova Mesa Diretora do Poder Legislativo. No ano de 2018, o presidente da Câmara Municipal será o ve (...)
Festival de Ginástica Rítmica é realizado na Casa da Cultura
Tendo por local a Casa da Cultura Athos Branco, em Lagoa Vermelha, foi realizada no dia 12 de dezembro, a sexta edição do Festival de Ginástica Rítmica, evento coordenado pela professora Érica Pereir (...)
Selo Sabor Lagoense, tema de reunião entre prefeito e comerciantes
Na última quinta-feira (07), aconteceu na Casa da Cultura Athos Branco um encontro entre a Administração Municipal e os comerciantes de Lagoa Vermelha. Estiveram presentes o prefeito Bonotto e o secre (...)
Fazenda de Vacaria pagará multa de R$ 119 mil por irregularidades trabalhistas na colheita da maçã
A Agroindustrial Perfrutti Ltda., de Vacaria, firmou acordo judicial com o Ministério Público do Trabalho (MPT) em Caxias do Sul, devendo pagar multa de R$ 119.185,61, referentes a irregularidades em (...)
 
  Página Inicial | Contato | Empresa | Lagoa Vermelha

Simples.net Solucões Inteligentes