Radar online
Por Aldoir Nepomuceno
 
Desigualdade de renda no Brasil não caiu entre 2001 e 2015, revela estudo
 
O crescimento da renda da população mais pobre no Brasil nos últimos 15 anos foi insuficiente para reduzir a desigualdade. Segundo estudo divulgado nesta semana pela equipe do economista Thomas Piketty, famoso por propor a taxação dos mais ricos para reduzir as disparidades na distribuição de renda, a maior parte do crescimento econômico neste século foi apropriada pelos 10% mais ricos da população.

De acordo com o estudo, conduzido pelo World Wealth and Income Database, instituto codirigido por Piketty, a fatia da renda nacional dessa parcela da população passou de 54,3% para 55,3% de 2001 a 2015. No mesmo período, a participação da renda dos 50% mais pobres também subiu 1 ponto percentual, passando de 11,3% para 12,3%. A renda nacional total cresceu 18,3% no período analisado, mas 60,7% desses ganhos foram apropriados pelos 10% mais ricos, contra 17,6% das camadas menos favorecidas.

A expansão foi feita à custa da faixa intermediária de 40% da população, cuja participação na renda nacional caiu de 34,4% para 32,4% de 2001 a 2015. De acordo com o estudo, a queda se deve ao fato de que essa camada da população não se beneficiou diretamente das políticas sociais e trabalhistas dos últimos anos nem pôde tirar proveito dos ganhos de capital (como lucros, dividendos, renda de imóveis e aplicações financeiras), restritos aos mais ricos.

“Ao capturar pouco ou nenhuma parte da distribuição da renda de capital e ao não capturar muitos dos frutos da política social diretamente, a faixa intermediária ‘espremida’ poderia ser um produto das elites que a quer botar em competição com a faixa inferior [de renda]”, destacou o estudo, assinado pelo economista Marc Morgan.

O estudo classificou a manutenção da desigualdade no Brasil como “chocante”, principalmente se comparada com outros países desenvolvidos. “É digno de nota que a renda média dos 90% mais pobres no Brasil é comparável à dos 20% mais pobres na França, o que apenas expressa a extensão da distorção na renda no Brasil e a falta de uma vasta classe média”, ressalta o levantamento. Em contrapartida, o 1% mais rico no Brasil ganha mais que o 1% mais rico no país europeu: US$ 541 mil aqui, contra US$ 450 mil a US$ 500 mil na França.

Metodologia

O levantamento exclui transferências de renda. Considerando o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada, a participação dos mais pobres teria encerrado 2015 em 14%, mas a evolução da renda dos 10% mais ricos permaneceria inalterada. No entanto, o salário mínimo, as aposentadorias e pensões e o seguro-desemprego estão incluídos no cálculo.

Segundo o World Wealth and Income Database, as transferências sociais foram retiradas do levantamento para facilitar a análise da estrutura da economia. Essa medida, conforme a equipe responsável pelo estudo, permite estimar quanto da renda nacional vem do capital e quanto vem do trabalho.

Para chegar à distribuição da renda nacional, os autores usaram dados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que analisa o padrão de vida e a renda das famílias mais pobres. Os dados sobre a parcela mais rica da população vieram de informações sobre a Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física, enviados pela Receita Federal com a preservação do sigilo fiscal dos contribuintes.

Para acrescentar a participação do capital e as rendas não tributáveis, o estudo usou as Contas Econômicas Integradas, de 2000 a 2014, e as Contas Nacionais Trimestrais do IBGE de 2015. Juntando as três bases de dados, os economistas elaboraram a série histórica dos últimos 15 anos da renda nacional com a participação de cada faixa de renda da população.

Dividendos

A inclusão das contas do IBGE permitiu aos pesquisadores estimar os impactos sobre a economia da isenção de Imposto de Renda sobre lucros e dividendos, em vigor desde 1995. De acordo com o estudo, a desigualdade na renda do trabalho (de quem ganha salários) diminuiu de 2001 a 2015, mas esse efeito pode ser mascarado por profissionais autônomos que recorrem a instrumentos como participação nos lucros e distribuição de dividendos para pagarem menos impostos.

“Num contexto em que lucros distribuídos são isentos de Imposto de Renda, enquanto as rendas mais altas do trabalho são taxadas com a alíquota máxima de 27,5%, esse tipo de comportamento não pode ser descartado, especialmente como parece ser comum entre os brasileiros envolvidos em atividades autônomas”, destacou o estudo.

(Agência Brasil)
Mais informações
 
Intervenção suspende votação de 99 PECs que estão prontas para pauta do Plenário
Pauta econômica apresentada pelo governo é da Câmara, afirma Maia
Temer anuncia criação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública
Intervenção é correta, diz base aliada; oposição classifica de cortina de fumaça
Decreto de intervenção federal exige aprovação parlamentar, mas já está em vigor
Temer nomeia general Braga Netto interventor na segurança pública do Rio
Com expectativa de inflação em 4,2%, cortes na Selic podem ser interrompidos
Reforma será iniciada na Câmara mesmo sem a certeza dos 308 votos, diz Marun
Candidatos poderão usar recursos próprios nas campanhas
75% das multas em rodovias federais durante Carnaval são por excesso de velocidade
Calor predomina no país no último dia de carnaval
‘Farra’ do crédito de veículos gerou rombo de R$ 22,8 bi para bancos
Tempo seco favorece colheita do milho
Associação de juízes diz que imprensa 'distorce' benefícios
Fachin envia ao plenário recurso de Lula para evitar prisão após 2ª instância
 
 
   
publicidade - anuncie
   


Victor Hugo Muraro Filho
Advogado


Frei Marcelo de Carvalho


José Antônio de Andrade
joseantonio@somarimoveis.com

Outros Colunistas (...)
PRF apreende adolescente por porte ilegal de arma em Lagoa Vermelha
A PRF apreendeu um adolescente de 15 anos por porte ilegal de arma de fogo na manhã desta sexta-feira (16), na BR 470 em Lagoa Vermelha. Ele conduzia uma motocicleta Honda CG 150 Titan. Durante as (...)
Secretaria da Educação define ações, programas e projetos estratégicos para o ano letivo
A Secretaria Municipal da Educação, Cultura e Desporto realizou na manhã desta sexta-feira (16), uma reunião para definição das ações, programas e projetos estratégicos para este ano letivo. Liderad (...)
Presidente do Legislativo manifesta-se no grande expediente
O presidente do Legislativo, Braulio Joares Guedes (PTB),) na Sessão Ordinária desta quarta-feira (15), realizou manifestação no grande expediente. De acordo com o novo regimento interno, nesta ocasiã (...)
Lagoa Vermelha vai sediar ato público contra Reforma da Previdência
Numa iniciativa conjunta entre o CPERS, MPA, Sindicomerciários, Sintracom, PT de Lagoa Vermelha e Caseiros, PT Regional, Fetraf/RS, MMC, MST, Cresol, Cetap, Coopervita, Coopervida, Copercasa, Associaç (...)
Ciclista da UPF se prepara para a 3ª Copa Lagoa UPF de Mountain Bike
O ciclista da Universidade de Passo Fundo (UPF) Ricardo Machado já está realizando, desde o início de janeiro, seus treinamentos para a temporada de 2018. Em sua preparação, além de pedalar várias ho (...)
 
  Página Inicial | Contato | Empresa | Lagoa Vermelha

Simples.net Solucões Inteligentes